Post do Blog

dicas de gestão empresarial

Dicas para quitar dívidas e começar o ano no azul

Com o começo do ano se aproximando, você certamente já traçou metas para sua vida pessoal e para o seu negócio. Entre muitos brasileiros, uma dessas metas é começar o ano no azul. Para isso, você precisa da atitude e das ferramentas certas; a principal delas, claro, é o planejamento financeiro.

Além do planejamento, o que mais será que é preciso para quitar as dívidas da sua empresa e virar o ano com as finanças em dia? Para responder essa pergunta, preparamos cinco dicas que vão ajudar você a cumprir essa meta. Confira!

1. Planejamento financeiro

Se o planejamento financeiro é a principal ferramenta, ele merece ocupar o primeiro lugar na nossa lista de dicas. Quando falamos em planejamento, você pode entender que estamos falando de um orçamento, um documento que estima as receitas, custos, despesas e investimentos que vão acontecer na sua empresa durante o ano.

Elaborar um orçamento é muito importante, porque permite que você tome decisões conscientes sobre como vai usar os recursos da sua empresa, em vez de ir “improvisando” ao longo do caminho.

Porém, cuidado: o orçamento não é apenas um exercício, um documento que você faz, depois guarda e esquece. Tão importante quanto a elaboração é o acompanhamento. Ao longo do ano, volte ao planejamento na hora de tomar decisões; e, se perceber que a realidade não está coerente com o planejado, faça os ajustes necessários.

2. Controle das despesas fixas

Controlar as despesas do seu negócio é essencial para trazer suas contas para o azul. Afinal, se os gastos saem do controle, não importa quanta receita seu negócio possa gerar, ele sempre vai estar com as finanças desequilibradas.

Quando falamos em controlar as despesas, isso tem um triplo significado.

O primeiro é no sentido de acompanhar, registrar; de saber exatamente como, quanto e porque sua empresa está realizando cada gasto. Sem essas informações, não existe gestão financeira.

O segundo é no sentido de segurar as rédeas, de restringir os gastos. A partir da informação que você tem, identifique quais despesas são possíveis de reduzir ou cortar. Além disso, antes de contrair novas despesas, faça uma análise objetiva do retorno esperado. Assim, é possível evitar gastos que não geram benefícios concretos.

O terceiro é no sentido de não misturar as despesas financeiras da empresa com as suas despesas pessoais. Esse é um dos erros mais comuns entre pequenos e médios empresários. Não se esqueça de que, quando as contas da empresa e as suas se misturam, alguém vai sair perdendo: ou você, ou seu negócio.

3. Conhecimento das margens de contribuição

Você já viu que a gestão financeira não pode ser feita sem informações sobre as despesas. Porém, esse não é o único tipo de informação que você precisa para colocar as finanças em ordem, quitar as dívidas e começar o ano no azul. Sabe qual outra informação é indispensável? As margens de contribuição do seu negócio.

Margem de contribuição é aquilo que a maioria das pessoas chama de margem de lucro. É o quanto um produto ou serviço ofertado pela sua empresa contribui para a lucratividade do negócio.

Vamos supor que um empresário tem uma padaria. Ele vende bolos por R$30. Desses R$30, R$5 corresponde ao que ele gastou apenas para fazer o bolo. Portanto, os R$25 que sobram é o lucro bruto, que precisa pagar pelas despesas fixas da padaria.

Sem conhecer as margens de contribuição, não é possível estimar o lucro do seu negócio. E, se você não pode estimar o lucro, talvez esteja sofrendo prejuízos sem perceber! É assim que muitas empresas terminam o ano endividadas.

4. Projeção do fluxo de caixa

O fluxo de caixa é um dos relatórios financeiros mais importantes de qualquer empresa. Porém, ele não é um daqueles relatórios que apenas relata o que já passou; pelo contrário, sua principal utilidade é para a projeção do que ainda vai acontecer.

O fluxo de caixa descreve as entradas e saídas de dinheiro, permitindo analisar se haverá saldo suficiente para cumprir todas as obrigações financeiras da empresa em determinada data. Além disso, claro, também revela se haverá algum saldo restante depois de pagar todas as despesas que a empresa já tem.

Com isso, você pode identificar se seria possível assumir outra despesa, ou se um gasto a mais colocaria sua empresa no vermelho.

Quando o empresário não acompanha a projeção do fluxo de caixa, cedo ou tarde acaba realizando uma despesa que não tem caixa para cobrir. A solução encontrada é buscar um empréstimo. No entanto, o pagamento do empréstimo se torna mais uma despesa para a empresa, que já está fragilizada.

Ou seja, é como tampar o sol com a peneira.

Por isso, se você quer acabar com as dívidas existentes e evitar que novas dívidas se formem no próximo ano, adote a projeção do fluxo de caixa no dia a dia da sua empresa.

5. Apoio de uma consultoria

A dica final é buscar o apoio de uma consultoria. Com profissionais especializados e a ajuda de ferramentas úteis para colocar a gestão financeira em ordem, a consultoria analisar o estado atual das finanças do seu negócio, diagnosticar os principais problemas e desenvolver um plano, um mapa com o caminho mais eficiente para resolver a situação.

Vale a pena ressaltar que essa dica não se limita às grandes empresas. Na realidade, PMEs podem se beneficiar muito com o apoio de uma consultoria. O importante é contratar um serviço adequado para o perfil e as necessidades do seu negócio.

Nesse artigo, você viu que é possível, ainda, quitar as dívidas e começar o ano no azul. O que você precisa é, antes de mais nada, de um bom planejamento financeiro.

É claro que não adianta muito começar o ano com as finanças em ordem, mas cair logo em seguida nos mesmos erros de sempre, não é? Bom, o primeiro passo para evitar os erros é saber reconhecê-los. Então, aproveite para descobrir quais são os 4 erros financeiros que vão acabar com a sua empresa – e fique longe deles!

Deixe uma resposta